Pontes, capelas rurais, santuários, cruzeiros, paços e cidades históricas vão-se desenrolando ao longo de uma rota que nasce nas margens do rio Douro, na cidade do Porto, para concluir diante do sepulcro jacobeu em Compostela.

A peregrinação jacobeia a partir de Portugal, ainda que presumivelmente já existisse na época da Alta Idade Média, intensifica-se a partir da independência do país em meados do século XII. Desde então, o culto jacobeu e a peregrinação a Compostela, considerada como uma das marcas de identidade da cultura europeia, tiveram em terras lusitanas uma projeção muito importante. Durante séculos, o povo Português contribuiu para esta experiência coletiva com altos níveis de participação, sempre apoiado com singular fortuna pelo exemplo de reis, nobres e altos clérigos. Basta recordar que a maior parte da rede viária de Portugal foi testemunha, do século XII até aos nossos dias, do caminhar de peregrinos originários dos diversos núcleos populacionais do país até à meta compostelana. As suas motivações eram primordialmente religiosas. No entanto, graças a este denso e secular fluxo de pessoas que povoaram os caminhos de Santiago criados entre Portugal e a Galiza, estabeleceram-se também fecundos laços de intercâmbio cultural, económico e de pensamento.

As peregrinações a Santiago de Compostela a partir de Portugal intensificam-se no Século XII com a independência do país, assumindo assim, particular relevo a estrada real Porto/Barcelos/Ponte de Lima/Valença onde confluem quase todas as demais, reforçando este percurso como a espinha dorsal dos caminhos portugueses de Santiago.

O Caminho Português de Santiago, no seu suave decorrer em direção a norte, faz uso de trajetos antigos que cruzam bosques, terras de labor, aldeias, vilas e cidades históricas. Caminhos que saltam cursos de água através de pontes – algumas de origem romana – de inequívoca construção medieval. Caminhos enriquecidos pela presença de capelas, igrejas, conventos, alminhas e cruzeiros, nos quais não falta a confortadora imagem de Santiago Peregrino, acompanhando o romeiro e animando-o no seu caminhar.

 Porto - Santiago

Porto – Santiago

O Porto é o mais frequente ponto de partida para esta aventura. Desde a Sé Catedral do Porto, nas margens do rio Douro até Santiago sugerimos 11 etapas inesquecíveis, ligando duas cidades Património Mundial da UNESCO.

POnte de Lima - Santiago

Ponte de Lima – Santiago

A vila mais antiga de Portugal, Ponte de Lima, com a sua ponte romana está desde sempre ligada ao Caminho Português de Santiago e ás suas tradições, sendo pois um natural ponto de partida para os Peregrinos.

Valença - Santiago

Valença – Santiago

Nas margens do rio Minho, fazendo fronteira com a Galiza (Espanha), Valença do Minho é um natural ponto de partida para os Peregrinos que desejam percorrer os últimos 100 km do Caminho Português de Santiago.

 Caminho de Bicicleta

Caminho de Bicicleta

Para os amantes das bicicletas, o Caminho Português, desde o Porto até Santiago de Compostela é um itinerário de eleição. Criamos programas adaptados ao nível de preparação, condição física e experiência de cada cliente. Disponibilizamos também todo o equipamento necessário em regime de aluguer.

 Porto - Tui (Extensão)

Porto – Tui (Casas Rurais)

Este percurso tem uma extensão de 125 quilómetros, distribuídos em 5 etapas para fazer em 6 dias. No final de cada etapa, o caminhante é recolhido no local previamente indicado do caminho e conduzido em automóvel para um alojamento rural onde que passará a noite depois de um merecido jantar.

Tui - Santiago

Tui – Santiago (Casas Rurais)

Este percurso consiste em 115 quilómetros distribuídos em 5 etapas para fazer em 6 dias. No final de cada etapa, o viajante é recolhido no local do caminho e conduzido em automóvel para um alojamento rural em que passará a noite depois de uma merecida ceia caseira elaborada com produtos da região.